Lançamento da terceira edição do livro “A Riqueza Desmistificada”, na Livraria Cirkula, em Porto Alegre

foto 56b

A RIQUEZA DESMISTIFICADA
Antonio David Cattani*

Editora Cirkula, 2018 – 3ª edição, revista e atualizada

Ocorreu ontem à noite (25/09), na Livraria Cirkula, situada na Av. Oswaldo Aranha, em Porto Alegre, o lançamento da terceira edição do livro “A Riqueza Desmistificada”, de autoria de Antonio David Cattani, Vice-Presidente do Instituto Justiça Fiscal (IJF).

Precedida de uma nova apresentação destacando as dimensões políticas da concentração de renda, a terceira edição de A riqueza desmistificada analisa, na primeira parte, as controversas dimensões da riqueza econômica concentrada, fenômeno que se reproduz em escala planetária e que está na origem da mega crise que se avizinha. 

O autor procura desmistificar a posse de somas estratosféricas de riqueza como sendo o resultado do mérito pessoal e da eficiência empresarial. A riqueza possui uma dupla dimensão de totem e tabu; objeto de temor e veneração e, também, objeto incógnito e inacessível. A riqueza arcana é envolva em véus de mistério e mistificação. Se antecipando às conclusões de Thomas Piketty em O Capital no Século XXI, o autor analisa o fenômeno do crescimento de multimilionários como um processo global, associado à desregulamentação financeira e à globalização sem controles. Os ricos são capazes de pagar proporcionalmente menos impostos que os contribuintes com menores rendas, de proteger sua riqueza graças à utilização de paraísos fiscais, permanecendo blindados a qualquer tentativa de impostos sobre as grandes fortunas. 

Na segunda parte, o autor analisa as especificidades do caso brasileiro, indicando as raízes históricas da concentração da renda e da propriedade. Tanto no caso internacional como brasileiro, os multimilionários desenvolvem estratégias específicas para proteger seus privilégios e assegurar a impunidade. O lado escuro dos ricos fica escondido pelo mito da meritocracia. Heranças, efeitos de poder, fraudes e outras modalidades de crescimento da riqueza estão na origem de uma grande das fortunas pessoais e explicam porque o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo.

*Antonio David Cattani é Doutor pela Universidade de Paris I Pantheón-Sorbonne. Professor Titular de Sociologia/UFRGS, Programa de Pós Graduação em Sociologia. Pesquisador 1A do CNPq.

http://ijf.org.br/?p=3279