Quem realmente cria valor em uma economia?

cb75f4fa7bb60b16f934b733333258bb.2-1-super.1

Por Mariana Mazzucato, publicado em Project Syndicate, 11/09/2018

Dez anos após a crise econômica global, os lucros se recuperaram, mas o investimento continua fraco. Em última análise, a razão é que a política econômica continua a ser fundamentada pela ideologia neoliberal e sua prima acadêmica, a teoria da “escolha pública”, e não pela experiência histórica.

Depois da crise financeira global de 2008, surgiu o consenso de que o setor público tinha a responsabilidade de intervir para socorrer bancos de importância sistêmica e estimular o crescimento econômico. Mas esse consenso se mostrou efêmero, e logo as intervenções econômicas do setor público passaram a ser vistas como a principal causa da crise e, portanto, precisavam ser revertidas. Isso acabou sendo um grave erro.

Na Europa, em particular, os governos foram criticados por suas dívidas elevadas, embora a dívida privada, e não o endividamento público, tenha causado o colapso. Muitos foram instruídos a introduzir a austeridade, em vez de estimular o crescimento com políticas anticíclicas. Enquanto isso, esperava-se que o Estado adotasse reformas no setor financeiro, que, junto com um ressurgimento do investimento e da indústria, deveriam restaurar a competitividade.

Mas muito pouca reforma financeira realmente aconteceu e, em muitos países, a indústria ainda não se recuperou. Enquanto os lucros se recuperaram em muitos setores, o investimento continua fraco, devido a uma combinação de açambarcamento de caixa e aumento da financeirização, com recompras de ações – para impulsionar os preços das ações e, consequentemente, as opções de ações – também em níveis recordes.

A razão é simples: o Estado, muito difamado, foi autorizado a buscar apenas respostas políticas tímidas. Este fracasso reflete a medida em que a política econômica continua a ser fundamentada pela ideologia – especificamente, o neoliberalismo, que defende um papel mínimo para o Estado na economia, e sua prima acadêmica, a teoria da “escolha pública”, que enfatiza as deficiências dos governos e não pela experiência histórica.

O crescimento requer um setor financeiro que funcione bem, no qual os investimentos de longo prazo sejam recompensados em vez de jogadas de curto prazo. No entanto, na Europa, um imposto sobre transações financeiras foi introduzido apenas em 2016, e o chamado “financiamento de pacientes” continua sendo inadequado em quase todos os lugares. Como resultado, o dinheiro que é injetado na economia por meio de, por exemplo, flexibilização monetária, acabe nos bancos.

No entanto, continuamos a romantizar atores privados em indústrias inovadoras, ignorando sua dependência dos produtos do investimento público. Elon Musk, por exemplo, não só recebeu mais de US $ 5 bilhões em subsídios do governo dos EUA; suas empresas, SpaceX e Tesla, foram construídas sobre o trabalho da NASA e do Departamento de Energia, respectivamente.

A única maneira de reviver nossas economias requer que o setor público resgate seu papel central como investidor estratégico, de longo prazo, e voltado para a missão. Para esse fim, é vital desmascarar narrativas erradas sobre como o valor e a riqueza são criados.

A suposição popular é que o Estado facilita a criação de riqueza (e redistribui o que é criado), mas na verdade não cria riqueza. Os líderes empresariais, ao contrário, são considerados agentes econômicos produtivos – uma noção usada por alguns para justificar o aumento da desigualdade. Como as atividades das empresas (muitas vezes arriscadas) geram riqueza – e, portanto, empregos -, seus líderes merecem renda mais alta. Tais suposições também resultam no uso errado de patentes, que nas últimas décadas vêm bloqueando em vez de incentivar a inovação, já que os tribunais favoráveis ​​a patentes têm permitido que sejam cada vez mais usadas, privatizando ferramentas de pesquisa e não apenas os resultados posteriores.

Se essas suposições fossem verdadeiras, os incentivos fiscais estimulariam um aumento no investimento das empresas. Em vez disso, tais incentivos – como os cortes de impostos corporativos dos EUA, promulgados em dezembro de 2017 – reduzem as receitas do governo em termos gerais e ajudam a gerar lucros recordes para as empresas, enquanto produzem pouco investimento privado.

Isso não deve ser surpreendente. Em 2011, o empresário Warren Buffett apontou que os impostos sobre ganhos de capital não impedem os investidores de fazer investimentos, nem prejudicam a criação de empregos. “Uma rede de quase 40 milhões de empregos foi adicionada entre 1980 e 2000”, observou ele. “Você sabe o que aconteceu desde então: taxas de imposto mais baixas e criação de empregos muito menor”.

Essas experiências colidem com as crenças forjadas pela chamada Revolução Marginal no pensamento econômico, quando a teoria clássica do trabalho de valor foi substituída pela moderna teoria subjetiva de valores dos preços de mercado. Em suma, assumimos que, desde que uma organização ou atividade busque um preço, ela está gerando valor.

Isso reforça a noção de normalização da desigualdade de que aqueles que ganham muito devem estar criando muito valor. É por isso que o CEO da Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, teve a audácia de declarar em 2009, apenas um ano após a crise em que seu próprio banco contribuiu, que seus funcionários estavam entre os “mais produtivos do mundo”. E também é a razão pela qual as empresas farmacêuticas justificam os aumentos astronômicos dos preços dos medicamentos, mesmo quando o governo dos EUA gasta mais de US$ 32 bilhões anualmente nos pontos mais complicados da cadeia de inovação que resulta desses medicamentos.

Quando o valor é determinado não por métricas específicas, mas pelo mecanismo de oferta e demanda do mercado, o valor torna-se simplesmente “algo que se pode olhar” e se confundem as rendas (ingressos) com os lucros (rendas ganhas); a desigualdade aumenta; e o investimento na economia real cai. E quando falhas nas posições ideológicas sobre como o valor é criado em uma economia moldam a formulação de políticas, o resultado são medidas que, inadvertidamente, recompensam a visão de curto prazo e minam a inovação.

Uma década depois da crise, a necessidade de enfrentar as fraquezas econômicas permanentes permanece. Isso significa, em primeiro lugar, admitir que o valor é determinado coletivamente, por empresas, trabalhadores, instituições públicas estratégicas e organizações da sociedade civil. A maneira como esses diversos atores interagem determina não apenas a taxa de crescimento econômico, mas também que o crescimento seja inovador, inclusivo e sustentável. É somente reconhecendo que a política (Estado) deve participar ativamente da criação e definição de mercados, corrigindo-os quando as coisas dão errado, que poderemos acabar com essa crise.

Fonte: https://www.project-syndicate.org/commentary/economy-value-private-public-investment-by-mariana-mazzucato-2018-09

tradução livre por Maria Regina paiva Duarte

http://ijf.org.br/?p=3273