FMI: Tributos maiores para os ricos reduzirão a desigualdade sem prejudicar o crescimento

IMF - Scope to increase tax progressitity

ENG_Oct_6Fiscal_Monitor11 out 2017

https://www.theguardian.com/business/2017/oct/11/imf-higher-taxes-rich-inequality-jeremy-corbyn-labour-donald-trump

Relatório corrobora a estratégia da área tributária do Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn no Reino Unido – e enfraquece a de Donald Trump nos EUA.

 

Alíquotas de imposto de renda mais altas para os ricos ajudariam a reduzir a desigualdade sem ter um impacto negativo no crescimento, disse o Fundo Monetário Internacional.

O FMI, com sede em Washington, usou seu influente monitor semestral fiscal para demolir o argumento de que o crescimento econômico sofreria se os governos dos países ocidentais avançados forçassem os 1% de rendas mais elevadas a pagar mais impostos.

O FMI disse que a teoria tributária sugeriu que deveria haver taxas de imposto “significativamente maiores” para aqueles com rendimentos mais altos, mas o argumento contra fazê-lo era que pressionar os ricos seria ruim para o crescimento.

Mas a influente instituição global disse: “Os resultados empíricos não sustentam esse argumento, pelo menos em níveis de progressividade que não sejam excessivos”. O FMI acrescentou que diferentes tipos de impostos sobre patrimônio também podem ser considerados.

O Partido Trabalhista baseou-se no relatório para demandar maiores impostos sobre os ricos, citando o relatório do FMI como prova da necessidade de um sistema de impostos mais justo.

No seu manifesto de eleições, o Partido Trabalhista propôs uma nova faixa de impostos de 45% sobre aqueles que ganham mais de £ 80,000 (aproximadamente R$ 333.458) e uma alíquota de 50% para aqueles em mais de £ 123,000 (aproximadamente R$ 512.691).

John McDonnell, o líder da oposição no monitoramento das contas do Tesouro, disse: “O FMI apoia o argumento que defendemos nas eleições gerais para um sistema de impostos mais justo. Não há evidências para apoiar aqueles que se alarmaram com os efeitos de fazer os ricos pagar impostos mais justos “.

Ele acrescentou: “Não só os Tories reduziram a taxa máxima de impostos, mas ainda planejam bilhões em benefícios para as super-ricas e grandes corporações sobre esse parlamento”.

Apesar das alegações de ministros de que os planos fiscais do Partido Trabalhista seriam prejudiciais politicamente e economicamente, McDonnell acredita que impostos mais elevados para os ricos seriam tanto viáveis como populares.

“A cada dia que passa a necessidade de uma mudança de direção no Tesouro aumenta. Em vez de se envolver em lutas internas em seu próprio partido, o Secretário do tesouro  deveria ouvir os pedidos do Partido Trabalhista para impostos mais justos e aumento do investimento, para que possamos  construir uma economia para muitos e não para poucos “.

Theresa May repetidamente atacou a abordagem do Partido Trabalhista como extrema, indagando na quarta-feira que Corbyn e McDonnell estão no “planeta Venezuela”.

Mas a primeira-ministra admitiu em uma reunião setorial na conferência de seu partido em Manchester que a opinião pública parece ser mais favorável a algumas idéias econômicas do Partido Trabalhista do que os estrategistas conservadores imaginavam, no início das eleições gerais de junho.

“Nós pensamos que havia um consenso político”, disse ela. “Jeremy Corbyn mudou isso”.

Com Philip Hammond devido a entregar seu orçamento no próximo mês, não está claro se o governo vai continuar com a promessa de redução de impostos para assalariados mais elevados, incluindo planos para aumentar o limite de taxa mais alta para imposto de renda em £ 50,000 (aproximadamente R$ 208.871).

O monitor fiscal não menciona nenhum país pelo nome e não especifica em que nível os governos devem definir a nova taxa mais elevada para os principais ganhadores.

Mas o relatório enfatizou que cortar impostos para os 1% superiores tinha ido longe demais – uma forte dica de que o FMI tem dúvidas sobre o plano fiscal pró-ricos proposto por Donald Trump para os EUA.

Em vez disso, o FMI disse que um imposto maior para os ricos era necessário para deter a crescente desigualdade de renda – o argumento usado por McDonnell e o líder trabalhista Jeremy Corbyn.

O monitor fiscal disse que as economias mais avançadas do Oeste sofreram um aumento considerável na desigualdade de renda nas últimas três décadas, impulsionado principalmente pela crescente renda dos 1% superiores.

Tradicionalmente, os governos procuraram tornar as suas sociedades menos desiguais, impondo alíquotas de imposto de renda mais elevadas aos ricos e usando os recursos decorrentes dessa imposição para ajudar aqueles mais necessitados, diretamente ou através de serviços públicos.

Mas descobriu que os sistemas de imposto de renda se tornaram marcadamente menos progressivos nas décadas de 1980 e 1990 e permaneceram estáveis desde então, embora a crescente desigualdade tenha levantado a necessidade de uma abordagem mais progressiva.

Em um blog do FMI, o chefe da unidade de assuntos fiscais do FMI, Vitor Gaspar, disse que a taxa média de imposto de renda superior para os países ricos membros da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico caiu de 62% em 1981 para 35% em 2015.

“Além disso, os sistemas fiscais são menos progressivos do que o indicado pelas taxas oficiais, porque indivíduos ricos têm mais acesso a benefícios fiscais”, disse Gaspar no blog co-escrito com Mercedes Garcia-Escribano. “Sobretudo, achamos que algumas economias avançadas podem aumentar a progressividade sem prejudicar o crescimento, desde que a progressividade não seja excessiva”.

A pesquisa do FMI identificou que, entre 1985 e 1995, a redistribuição através do sistema tributário compensou 60% do aumento da desigualdade causada pelas forças do mercado. Mas entre 1995 e 2010, os sistemas de imposto de renda falharam na remediação ao contínuo crescimento da desigualdade.

Ela também disse que a desigualdade deveria ser enfrentada por uma orientação mais pró-pobre aos gastos públicos.

“Apesar do progresso, permanecem as lacunas no acesso a uma educação de qualidade e serviços de saúde entre diferentes estratos de renda na população em muitos países”, disse Gaspar e García-Escribano, acrescentando que, em países ricos, homens com educação universitária viveram até 14 anos mais do que aqueles com educação secundária ou menor.

“Um gasto público melhor pode ajudar, por exemplo, deslocando a educação ou gastos de saúde dos ricos aos pobres, mantendo o gasto total com a educação pública ou com a saúde inalterado”, acrescentaram.

Em outra análise que avalia estabilidade financeira global, o FMI disse que levaria vários anos para que os bancos centrais devolvessem as taxas de juros a níveis mais normais devido ao risco de abortar a recuperação.

Mas o relatório também destacou o risco de que o estímulo monetário prolongado poderia levar ao acúmulo de mais abusos financeiros. Muito dinheiro está a perseguir poucos bens oferecendo rentabilidade, disse o FMI.

Um porta-voz do Tesouro, no entanto, afirmou: “Um sistema de tributação justo é uma parte crítica do nosso plano para construir uma sociedade mais justa. Hoje, o 1% mais rico paga aproximadamente um quarto do total do imposto sobre o rendimento, enquanto 4 milhões de pessoas de rendas menores foram isentas do imposto de renda por completo “.


O Fiscal Monitor do FMI pode ser acessado clicando AQUI: fm1702

 

http://ijf.org.br/?p=2762