Campanha Global por Justiça Fiscal – Que as Transnacionais paguem o justo

2015-11-16(2)

img-campaign-post3Campanha Global por Justiça Fiscal – Que as Transnacionais paguem o justo tem a participação do Instituto Justiça Fiscal (IJF), do Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC), da Rede Brasileira de Integração dos Povos (REBRIP), da Internacional dos Servidores Públicos (ISP), da Auditoria Cidadã da Dívida, da Red Latinoamericana Sobre Deuda, Desarollo y Derechos(LATINDADD) e da Red de Justicia Fiscal de América Latina y el Caribe (RJFAC), e objetiva questionar a arquitetura financeira e econômica internacional e seus mecanismos de evasão fiscal.

A globalização, a despeito de todas as teorias que a defendiam como promotora de desenvolvimento, trouxe enormes desafios aos países em desenvolvimento, notadamente a exclusão social. De um lado, concentração de riqueza, de outro desemprego, sendo que no Brasil os dois andam lado a lado. Basear o desenvolvimento em exportações e atração de investimentos externos, como no caso brasileiro, colocando a competitividade internacional como objetivo principal a ser atingido, é um caminho fácil para a instabilidade econômica e o aumento da pobreza.

Um dos instrumentos disponíveis às sociedades democráticas é, ainda, sua capacidade de articulação e mobilização. A criação de um novo órgão no âmbito das Nações Unidas, defendida pela Campanha Global pela Justiça Fiscal, que se comprometa a criar condições para que as transnacionais paguem o que é devido, combatendo os complexos mecanismos de evasão fiscal, contribuiria muito para aumentar os recursos públicos a serem disponibilizados à sociedade.

Nas palavras de Celso Furtado, “o que importa é que as novas gerações recuperem o gosto pelo exercício da imaginação e se convençam de que a obra que lhes cabe realizar é nada menos que dar continuidade à construção deste grande país”.

Dados sobre a campanha podem ser acessados no site oficial clicando AQUI.

 

http://ijf.org.br/?p=762